Friday, September 22, 2017

Cada vez menos saudade nos cais


Cada vez menos saudades nos cais que hoje se fazem de cimento em vez de pedra. Os cais de Lisboa fizeram-se durante muitas décadas com pedra de Caxias. Em Leixões não sei qual a origem da matéria prima...
Quando comecei a deambular por esses cais havia gente para cá e para lá e tantas outras criaturas e maquinarias. Dizia-se adeus das varandas das estações marítimas. Os cais agora são terra proibida para quase todos, e os que entretanto em Lisboa foram subtraídos à APL perderam o seu carácter e aguardam as infindáveis investidas dos especuladores imobiliários. E assim se rouba a paisagem.
Texto e imagens /Text and images copyright L.M.Correia. Favor não piratear. Respeite o meu trabalho, se descarregar imagens para uso pessoal sugere-se que contribua para a manutenção deste espaço fazendo um donativo via Paypal, sugerindo-se €1,00 por imagem retirada. Utilização comercial ou para fins lucrativos não permitida (ver coluna ao lado) / No piracy, please. If photos are downloaded for personal use we suggest that a small contribution via Paypal (€1,00 per image or more). Photos downloaded for commercial or other profit making uses are not allowed. For other posts and images, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to see them enlarged. Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia

O ROAZ a passar o Espichel


Eu aqui a ver fotografias antigas. Esta do Roaz em 2012 em Leixões. E segundo o AIS, o navio está  a passar o Cabo Espichel, mais umas horas e atraca novamente no Outão. O nosso último cimenteiro e o nosso último navio de carga costeiro.
Texto e imagens /Text and images copyright L.M.Correia. Favor não piratear. Respeite o meu trabalho, se descarregar imagens para uso pessoal sugere-se que contribua para a manutenção deste espaço fazendo um donativo via Paypal, sugerindo-se €1,00 por imagem retirada. Utilização comercial ou para fins lucrativos não permitida (ver coluna ao lado) / No piracy, please. If photos are downloaded for personal use we suggest that a small contribution via Paypal (€1,00 per image or more). Photos downloaded for commercial or other profit making uses are not allowed. For other posts and images, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to see them enlarged. Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia

Wednesday, September 13, 2017

Homenagem ao ferry EBORENSE

O n/m EBORENSE foi retirado do serviço público fluvial hoje, depois de ter completado ontem a última série de viagens na carreira da Trafaria. 
Entrou ao serviço em 1954 e cumpriu mais de  sessenta anos de travessias no Tejo, principalmente entre o Cais do Sodré e o Terreiro do Paço e Cacilhas, tendo servido igualmente como barco de turismo ocasionalmente.
 Ao longo dos anos o BNM falou muito acerca do EBORENSE, em palavras e imagens, aqui fica a homenagem, dado que o EBORENSE deverá agora ser posto à venda pela Transtejo. Ver mais escritos e fotografias aqui.
Texto e imagens /Text and images copyright L.M.Correia. Favor não piratear. Respeite o meu trabalho, se descarregar imagens para uso pessoal sugere-se que contribua para a manutenção deste espaço fazendo um donativo via Paypal, sugerindo-se €1,00 por imagem retirada. Utilização comercial ou para fins lucrativos não permitida (ver coluna ao lado) / No piracy, please. If photos are downloaded for personal use we suggest that a small contribution via Paypal (€1,00 per image or more). Photos downloaded for commercial or other profit making uses are not allowed. For other posts and images, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to see them enlarged. Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia

Último dia de navegações do EBORENSE

O ferry EBORENSE completou a 12 de Setembro de 2017 a última série de travessias entre Belém, Porto Brandão e a Trafaria em regime de serviço fluvial público. Os certificados caducaram à meia-noite e o destino agora será o abate após quase 63 anos de carreiras no Tejo, pois entrou ao serviço em Dezembro de 1954. 
O fim do EBORENSE traduz o encerrar de uma época, pois este cacilheiro foi um dos mais apreciados de todos s que navegam ao serviço da Transtejo entre as duas margens do Tejo. Vai fazer falta, pois o navio que o substitui na carreira da Trafaria, o LISBONENSE, não oferece garantias de fiabilidade técnica e agora sem o EBORENSE de reserva, haverá momentos em que o transporte de viaturas terá de ser suspenso.
Acompanhámos as últimas travessias do EBORENSE e aqui deixamos alguns registos.

 













Texto e imagens /Text and images copyright L.M.Correia. Favor não piratear. Respeite o meu trabalho, se descarregar imagens para uso pessoal sugere-se que contribua para a manutenção deste espaço fazendo um donativo via Paypal, sugerindo-se €1,00 por imagem retirada. Utilização comercial ou para fins lucrativos não permitida (ver coluna ao lado) / No piracy, please. If photos are downloaded for personal use we suggest that a small contribution via Paypal (€1,00 per image or more). Photos downloaded for commercial or other profit making uses are not allowed. For other posts and images, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to see them enlarged. Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia

Tuesday, September 12, 2017

Uma Muito Boa Notícia - Um Paquete Novo Para Portugal


É uma notícia muito boa para a Marinha Mercante Portuguesa, e dada a raridade do tema, muito importante: O armador portuense Mário Ferreira tem em construção em Viana do Castelo, nos estaleiros da WestSea, um navio de cruzeiros expedicionários de 9300 toneladas de arqueação bruta encomendado este ano e com entrega prevista para Outubro de 2018. 
Trata-se do WORLD EXPLORER, navio com 126 metros de comprimento, 19 de boca e 4,7 de pontal, para 176 passageiros em 86 camarotes de luxo, todos exteriores, com varandas ou janelas panorâmicas, concebido para cruzeiros exóticos em regiões remotas, nomeadamente a Antártida, onde a nova unidade deverá operar de Novembro de 2018 a Março de 2019, fretado à Polar Cruise Company / Quark Expeditions, de Seattle, um dos mais prestigiados operadores de cruzeiros expedicionários a nível mundial. 
O WORLD EXPLORER vai ser equipado com sistema de propulsão muito versátil, diesel-elétrico híbrido, desenvolvido pela Rolls-Royce, com duas máquinas Bergen C25:33L8P e uma Bergen C25:33L6P, e motores eléctricos AFE "savecube", com a potência total de 9000 kW, accionando dois hélices de passo variável, e asegurando 16 nós de velocidade de serviço. 
O navio será propriedade da Mystic Cruises uma das companhias de cruzeiros de Mário Ferreira que integra a Mystic Invest SGPS juntamente com as empresas de cruzeiros fluviais Douro Azul, com 16 navios e 500 tripulantes, e Nicko Cruises com 20 navios, que navegam em 15 rios de três continentes. 


O projecto do WORLD EXPLORER foi desenvolvido pelo arquitecto naval italiano Giuseppe Tringali da empresa Leadship Ltd., e resulta da vontade de expansão da actividade cruzeirística de Mário Ferreira para além dos rios, ideia que acompanha o armador há bastantes anos e apontava inicialmente para uma operação na Amazónia. 
Para a Marinha Mercante e Indústria Naval portuguesas, a iniciativa de Mário Ferreira é uma excelente notícia. O WORLD EXPLORER será o primeiro navio de cruzeiros construído de raiz para interesses portugueses desde o FUNCHAL, encomendado em 1959 por outro armador carismático com sensibilidade para o turismo, Vasco Bensaude. A construção do WORLD EXPLORER abre assim novos caminhos a uma Marinha Mercante em necessidade urgente de se reinventar no actual mundo globalizado, ao mesmo tempo que proporciona um novo mercado apetecível à WestSea, do Grupo Martifer, que está a dar continuidade às melhores tradições dos antigos Estaleiros Navais de Viana do Castelo. 
Mário Ferreira pretende que o WORLD EXPLORER seja o primeiro de uma série de navios semelhantes, referindo alguma apreensão relativamente à viabilidade de os próximos serem também construídos em Portugal, por questões de financiamento. Uma candidatura de financiamento com fundos comunitários foi chumbada e para financiar o WORLD EXPLORER optou-se por empréstimos obrigacionistas de 50 milhões de euros, com o restante assegurado pelos bancos Caixa Geral de Depósitos, Montepio e Carregosa, constando que o navio custará de 70 a 100 milhões de euros, valor de referência do custo de construção de navios deste tipo no mercado internacional. 
O WORLD EXPLORER deverá sair de Lisboa em Novembro de 2018 em viagem inaugural até ao Rio de Janeiro, em posicionamento para os primeiros dez cruzeiros à Antártida, prevendo-se que opere o resto do ano sob bandeira da Nicko Cruises em viagens dirigidas essencialmente ao mercado de cruzeiros alemão.
Texto e imagens /Text and images copyright L.M.Correia. Favor não piratear. Respeite o meu trabalho, se descarregar imagens para uso pessoal sugere-se que contribua para a manutenção deste espaço fazendo um donativo via Paypal, sugerindo-se €1,00 por imagem retirada. Utilização comercial ou para fins lucrativos não permitida (ver coluna ao lado) / No piracy, please. If photos are downloaded for personal use we suggest that a small contribution via Paypal (€1,00 per image or more). Photos downloaded for commercial or other profit making uses are not allowed. For other posts and images, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to see them enlarged. Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia

Sunday, September 10, 2017

Novo palavrão: "Meio-Náutico"



Ao ler esta notícia acho que aprendi um novo palavrão: «meio náutico». Observo a imagem anexa à notícia palavrosa e só vislumbro uma lancha da polícia marítima. Está inserida no meio náutico natural do porto de Angra do Heroísmo mas não é por aí que a coisa se assume como palavrão. A notícia, eventualmente um comunicado de imprensa da AMN, diz assim:
«O comando local da Polícia Marítima de Angra do Heroísmo e Praia da Vitória dispõe agora de um novo meio náutico que vem reforçar o seu dispositivo de policiamento e fiscalização.
Trata-se de uma embarcação semi-rígida, cabinada, de 7,8 metros de comprimento, e equipada com os mais modernos sistemas de auxílio à navegação, dispondo de uma motorização de 500 HP (2 x 250 HP) e uma autonomia de cerca de 200 NM.
Em nota de imprensa, o comando local da Polícia Marítima de Angra do Heroísmo e Praia da Vitória explica que o equipamento vem permitir uma maior mobilidade operacional e a projecção de equipas da Polícia Marítima em acções de policiamento, de dia ou noite, em todo o espaço de jurisdição marítima das ilhas Terceira e Graciosa.
Fica assim garantida, informam ainda, a autoridade do Estado e a soberania Nacional no mar em missões de prevenção e repressão criminal, bem como no reforço das capacidades de fiscalização dos recursos piscícolas no mar dos Açores, em particular nas áreas de reserva natural marinhas, como o banco “Dom João de Castro” localizado a cerca de 50 milhas náuticas a Sudeste da ilha Terceira.Fica assim garantida, informam ainda, a autoridade do Estado e a soberania Nacional no mar em missões de prevenção e repressão criminal, bem como no reforço das capacidades de fiscalização dos recursos piscícolas no mar dos Açores, em particular nas áreas de reserva natural marinhas, como o banco Dom João de Castro” localizado a cerca de 50 milhas náuticas a Sudeste da ilha Terceira.»
Este texto é duplamente enriquecedor: inova e acrescenta o léxico marítimo e é um garante da autoridade do Estado e da soberania Nacional. 
O meu receio sincero é que o primeiro arrastão de pesca chinês apanhado em flagrante algures no Atlântico Norte pelo novo meio-náutico provoque a sua perda gloriosa com o contacto no casco de algum anzol mais afiado. 
O meu espírito curioso debate-se entretanto com a angustia de ver a existência das nossas unidades navais ameaçadas com o meio-náutico dos Açores. Para quê uma Corveta, para quê um Patrulhão, para quê dois Submarinos (e eu acho que precisamos de mais), se o novíssimo «meio-náutico» aparentemente responde às solicitações habituais atribuídas a tais navios nos Açores?
O abominável palavrão «meio náutico» acabado de inventar para substituir a palavra «lancha» é feio e desnecessário, suponho que da família dos «meios aéreos» dos combates aos fogos nacionais, uma invenção do nacional-foleirismo que enjeita uma língua tão bonita e rica em terminologia naval e náutica: a Língua Portuguesa. 
Não lhe dêem pontapés, por favor.
Texto e imagens /Text and images copyright L.M.Correia. Favor não piratear. Respeite o meu trabalho, se descarregar imagens para uso pessoal sugere-se que contribua para a manutenção deste espaço fazendo um donativo via Paypal, sugerindo-se €1,00 por imagem retirada. Utilização comercial ou para fins lucrativos não permitida (ver coluna ao lado) / No piracy, please. If photos are downloaded for personal use we suggest that a small contribution via Paypal (€1,00 per image or more). Photos downloaded for commercial or other profit making uses are not allowed. For other posts and images, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to see them enlarged. Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia

Thursday, September 07, 2017

n/m PORT SHANGHAI a entrar no Tejo


Navio graneleiro PORT SHANGHAI a entrar o Tejo a 16 de Agosto de 2017, na sua primeira escala em Lisboa (Trafaria). 

Trata-se do terceiro navio da Portline a vir a Lisboa este ano, todos nas suas primeiras escalas. Todos pintados impecavelmente e a parecerem novos.
Texto e imagens /Text and images copyright L.M.Correia. Favor não piratear. Respeite o meu trabalho, se descarregar imagens para uso pessoal sugere-se que contribua para a manutenção deste espaço fazendo um donativo via Paypal, sugerindo-se €1,00 por imagem retirada. Utilização comercial ou para fins lucrativos não permitida (ver coluna ao lado) / No piracy, please. If photos are downloaded for personal use we suggest that a small contribution via Paypal (€1,00 per image or more). Photos downloaded for commercial or other profit making uses are not allowed. For other posts and images, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to see them enlarged. Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia

Wednesday, September 06, 2017

ARCA de passeios fluviais


ARCA, talvez a embarcação utilizada em passeios tuísticos no Tejo com aspecto mais invulgar, a levar a minha imaginação aos tempos da conquista de Ceuta e à frota que em 1415 fez rumo ao Estreito. Fotografias de 11 de Agosto de 2017.

Texto e imagens /Text and images copyright L.M.Correia. Favor não piratear. Respeite o meu trabalho, se descarregar imagens para uso pessoal sugere-se que contribua para a manutenção deste espaço fazendo um donativo via Paypal, sugerindo-se €1,00 por imagem retirada. Utilização comercial ou para fins lucrativos não permitida (ver coluna ao lado) / No piracy, please. If photos are downloaded for personal use we suggest that a small contribution via Paypal (€1,00 per image or more). Photos downloaded for commercial or other profit making uses are not allowed. For other posts and images, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to see them enlarged. Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia

Monday, September 04, 2017

Memórias minhas e do Bill Miller

O meu Amigo Bill Miller partilha regularmente pequenas notas sobre os navios em que andou e outras reminiscência diversas, e esta sobre uma ida à California em 1971, fez-me recordar a presença de navios de passageiros norte-americanos no Tejo no final da década de 1960 e primeiros anos de 1970. Os navios de passageiros da American Export Line eram os que escalavam Lisboa nas suas viagens regulares de Nova Iorque para o Mediterrâneo, os gémeos INDEPENDENCE e CONSTITUTION e o ATLANTIC, mas em 1968-69 foram retirados do serviço e posteriormente vendidos ao grupo C. Y. Tung, de Hong Kong. Os gémeos ARGENTINA e BRASIL, da Moore McCormack Lines, e os navios das linhas do Pacífico, os gémeos MARIPOSA e MONTEREY, ambos da Pacific Far East Lines, e os "Presidentes" da American President Lines PRESIDENT WILSON, PRESIDENT CLEVELAND e PRESIDENT ROOSEVELT passaram também por Lisboa em longos cruzeiros nas fases finais das suas vidas úteis, o mesmo se podendo dizer do UNITED STATES que esteve em Lisboa em 1968. 
Bill Miller partilha connosco impressões de uma curta visita à Califórnia em 1971:

"MEMORY LANE: CALIFORNIA DREAMIN' 
In Feb 1971, we had a long weekend out to California ... I well remember those evocative horns going on a foggy night in San Francisco ...
We caught the PRESIDENT CLEVELAND for an overnight ride: Sailing from San Francisco at Noon; arriving San Pedro (LA) the next day at 11am ...As I recall, the ship was all gleaming lino, immaculate, very post-war modern in decor, great brass elevator doors, Emerson radios in the cabins ... and the simplicity of the old third class/economy space that was completely intact, but unlocked and no longer used ... 
At Long Beach, I also recall seeing the QUEEN MARY, then being renovated and having only one funnel -- the middle one -- and years later, in a photo, a friend quickly identified the ship as the SCYTHIA -- well, a very big SCYTHIA ..."
Texto e imagens /Text and images copyright Bill Miller & L.M.Correia. Favor não piratear. Respeite o meu trabalho, se descarregar imagens para uso pessoal sugere-se que contribua para a manutenção deste espaço fazendo um donativo via Paypal, sugerindo-se €1,00 por imagem retirada. Utilização comercial ou para fins lucrativos não permitida (ver coluna ao lado) / No piracy, please. If photos are downloaded for personal use we suggest that a small contribution via Paypal (€1,00 per image or more). Photos downloaded for commercial or other profit making uses are not allowed. For other posts and images, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to see them enlarged. Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia

Friday, September 01, 2017

PORTUGAL DESPERDIÇADO

Durante vinte anos a frota de navios de passageiros portugueses foi um dos temas de grande orgulho nacional. Havia nesse orgulho um factor de propaganda política, enaltecendo indirectamente a obra de ressurgimento nacional do Estado Novo, louvando Salazar e homenageando Américo Thomaz, tido como o "Pai da Marinha Mercante."
Ao mesmo tempo havia lugar a um orgulho legítimo, pois em 30 anos, de 1945 a 1975, havia-se quebrado um certo fatalismo ligado aos assuntos do mar e Portugal sobressaía pele primeira vez desde o século XVIII como nação marítima de primeira grandeza. Os nossos navios não ficavam a dever nada aos seus congéneres estrangeiros, as empresas armadoras viviam de forma equilibrada, renovando as frotas e olhando para a internacionalização ao mesmo tempo que o sector contribuía para o desenvolvimento da Indústria Naval - construção e reparação, e para o equilíbrio da balança de pagamentos com o estrangeiro.
Em parte provou-se que esta realidade era ilusória, pois o tempo demonstrou não ser sustentada por verdadeiro espírito marítimo. Apesar das aparências não se conseguiu ultrapassar o síndrome tutelar dos mercados protegidos e do guarda-chuva do Estado. Em 1975-85 esse guarda-chuva tornou-se tenebroso e deu no que deu. Um grande desperdício de navios, talentos e oportunidades perdidas, ilustrado nesta fotografia de autor não identificado, com os paquetes VERA CRUZ e SANTA MARIA encalhados na ilha Formosa em 1973, após terem sido vendidos para sucata pela Companhia Colonial de Navegação. Os navios eram muito bons, tinham 20 e 19 anos, com pelo menos mais 20 de vida futura e um potencial enorme no mercado de cruzeiros que então começava a crescer alimentado por navios com as características dos nossos mas com gente determinada e cheia de iniciativas. Foi esse o nosso drama, cultivámos o desperdício até à situação extrema. Enquanto em Portugal se deitavam para o lixo o SANTA MARIA e o VERA CRUZ, exactamente na mesma altura em Miami, um engenheiro emigrado de Israel poucos anos antes chamado Ted Arison comprava dois paquetes da mesma classe de origem inglesa e começava a companhia CARNIVAL. O resto da história todos sabem e faz a diferença entre ser um país de cacilheiros estatais versus país marítimo. E não se iludam, hoje começa a falar-se do mar, mas o espírito marítimo e a cultura do mar necessários ao relançamento dos sectores do mar em Portugal ainda cá não estão. Muita gente fala sem saber bem o que diz, nomeadamente a nosso elite política e empresarial, há que começar a ensinar a cultura dos navios e do mar nas escolas. Já.
Quanto à fotografia que mostro hoje, é das mais tristes que me é dado ver. Naveguei em ambos estes paquetes. Assisti à largada de ambos para o Oriente em 1973. Não há palavras..., a culpa é de todos nós que teimamos em brincar e culpar os governantes que são afinal aquilo que temos sabido merecer.
Texto e imagens /Text and images copyright L.M.Correia. For other posts and images, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to see them enlarged. Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia

Monday, August 28, 2017

Veleiros em regata


Veleiros em regata ao largo de Cascais - 26 de Agosto de 2017







Texto e imagens /Text and images copyright L.M.Correia. Favor não piratear. Respeite o meu trabalho, se descarregar imagens para uso pessoal sugere-se que contribua para a manutenção deste espaço fazendo um donativo via Paypal, sugerindo-se €1,00 por imagem retirada. Utilização comercial ou para fins lucrativos não permitida (ver coluna ao lado) / No piracy, please. If photos are downloaded for personal use we suggest that a small contribution via Paypal (€1,00 per image or more). Photos downloaded for commercial or other profit making uses are not allowed. For other posts and images, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to see them enlarged. Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia

Farol de Santa Marta - Pormenores


Farol de Santa Marta, em Cascais. Detalhes diversos, 26 de Agosto de 2017








Texto e imagens /Text and images copyright L.M.Correia. Favor não piratear. Respeite o meu trabalho, se descarregar imagens para uso pessoal sugere-se que contribua para a manutenção deste espaço fazendo um donativo via Paypal, sugerindo-se €1,00 por imagem retirada. Utilização comercial ou para fins lucrativos não permitida (ver coluna ao lado) / No piracy, please. If photos are downloaded for personal use we suggest that a small contribution via Paypal (€1,00 per image or more). Photos downloaded for commercial or other profit making uses are not allowed. For other posts and images, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to see them enlarged. Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia 

Wednesday, August 23, 2017

Navios de Guerra Desarmados


Três antigas unidades navais da Armada Portuguesa recentemente desarmadas e atracadas na Base Naval de Lisboa: patrulha P1165 ÁGUIA, patrulha P1140 CACINE e corveta F 486 BAPTISTA DE ANDRADE, numa imagem registada a 20 de Agosto de 2017.

Texto e imagens /Text and images copyright L.M.Correia. Favor não piratear. Respeite o meu trabalho, se descarregar imagens para uso pessoal sugere-se que contribua para a manutenção deste espaço fazendo um donativo via Paypal, sugerindo-se €1,00 por imagem retirada. Utilização comercial ou para fins lucrativos não permitida (ver coluna ao lado) / No piracy, please. If photos are downloaded for personal use we suggest that a small contribution via Paypal (€1,00 per image or more). Photos downloaded for commercial or other profit making uses are not allowed. For other posts and images, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to see them enlarged. Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia

Cais sem navios


Há dias assim em Lisboa: os cais não têm um único navio atracado, como aconteceu na manhã de 20 de Agosto. Para além de tudo o mais a actividade portuária é uma actividade mal amada pelos locais, as facadas ao cerno do porto têm sido mais que muitas, e a navegação escolhe outras paragens.

Texto e imagens /Text and images copyright L.M.Correia. Favor não piratear. Respeite o meu trabalho, se descarregar imagens para uso pessoal sugere-se que contribua para a manutenção deste espaço fazendo um donativo via Paypal, sugerindo-se €1,00 por imagem retirada. Utilização comercial ou para fins lucrativos não permitida (ver coluna ao lado) / No piracy, please. If photos are downloaded for personal use we suggest that a small contribution via Paypal (€1,00 per image or more). Photos downloaded for commercial or other profit making uses are not allowed. For other posts and images, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to see them enlarged. Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia